O lado correto

Não sei se o leitor conhece o exercício de se imaginar vivendo em outros tempos, estranhamente nunca me pensei no lado correto da história: na Guerra Fria, no auge em que as mentiras que saiam de Moscovo ganhavam vozes na elite cultural dos países capitalistas, seria um comunista itinerante, na segunda guerra, bombardeado pela propaganda nazista, seria um Hitlerista convicto, nos tempos de Cristo, acho que em vez de ser um Zaqueu, seria um fariseu que ouvindo Jesus dizer que quem não tem pecados atire a primeira pedra, seria o primeiro a tacar uma pedra no mesmo. Acho que muita gente quando faz esse exercício pega o lado bonzinho, admito que é mais fácil julgar o mal quando o mesmo foi vencido e tendo as informações de hoje, mas é difícil ver como o mal sempre foi mais persuasivo, e talvez por isso me mantenho prudentemente alerta nos dias atuais. Ao fim seguindo essa rota interessantemente concluo: eu seria Adão.