Direito Animal

Coincidentemente com as polêmicas envolvendo o maltratos de animais no Brasil os últimos Q&A do Reasonable Faith tem sido sobre o sofrimento animal. Craig comenta a tese neorológica de Michael Murray em que há 3 níveis de conhecimento da dor na natureza. A tese explica que as mais primitivas espécies reagem como se sentissem dor, mas não sentem, esse é o primeiro nível, o segundo nível há um estado mental de dor, próprio dos animais, mas não há ciência de que se está passando dor, que é próprio do terceiro estado, comum em gorilas e humanos.

Se essa tese é verdadeira, o problema do sofrimento animal desaparece, mas algo é mais importante do que refutar Stephen Law, que é poder dizer que tais animais comentados no facebook não sofreram como nós sofremos dor, Deus na sua misericórdia os blindou de algo pior, mesmo que seus donos os tenham maltratado muito, isso é muito importante para nos consolar.

Agora, se animais não sofrem nosso nível de dor significa que podemos maltratá-los? Bem, é realidade que não existe “direitos animais” na natureza, um leão mata uma zebra, mas não a assassina, como animais não possuem deveres para cumprir ou obrigações a obedecer, também não possuem direitos. E se um leão causa dor numa zebra, porque só nós humanos não podemos causar dor semelhante, não é um especismo às avessas?

Para proteger esses animais sem apelar para a confusa doutrina do direito animal, é muito mais simples se apoiar nos deveres morais do homem para com Deus, que comandou o homem a ser zeloso com a natureza, que pertence a Deus e não ao homem que até quando respira furta de Deus. O quão moralmente errado para Deus é alguém que sente prazer na dor animal e na sua humilhação, o quão longe essa pessoa estará do tipo de  “dever ser” que Deus lhe impingiu? Um leão não tem obrigações morais logo ao destroçar uma zebra está sendo apenas um.. leão, mas o homem ao destroçar uma zebra está se comportando como uma besta, abaixo do nível humano. É necessário haver equilíbrio no tratamento, no século passado trataram homens como animais, ao ver os horríveis danos, nesse século colocam animais como homens, a falta de coerência com a natureza causa catástrofes ambientais, dessa vez, de ordem intelectual.

Uma leve busca por animais na bíblia mostra o quão obedientes são eles para com Deus, se oferecendo para sacrifício no lugar de Isaque, engolindo Jonas, carregando o Senhor para Jerusalém, os animais possuem uma comunhão com Deus talvez maior que a nossa pois sofreram apenas consequências indiretas da queda, eles são pequenos servos do Senhor como nós, mas também servem a Deus ao ser alimento para humanos além de nos servir de outras formas, Francisco de Assis sabia disso.

Ultimamente casos de racismo contra nordestinos e esses de abuso animal tem sido causados principalmente por pessoas que não esperávamos: moças jovens e bonitas, de educação superior, relativamente ricas são realmente chocantes e mostra que beleza, educação e riqueza não são capazes de remover o mal causado pelo pecado original. A enfermeira não só cometeu um crime, mas também um pecado ao não se portar como imagem de Deus. É certamente uma doença causada pela falta de ordem transcendente no país.