Chuva

Mais uma vez, os dois se encontram no café, em um dia chuvoso.

– Eu creio ter encontrado a solução para a nossa conversa anterior! – Clama o agnóstico enquanto se desencharca.

– O que poderia ser? –  Diz o cristão tirando o casaco?

– Deixemos que tudo se resolva no mercado de idéias! – Diz o agnóstico.

O cristão diz:

– Sim, é muito interessante. Eu gosto da competição, mas se deixarmos que a mão do mercado decida questões tão importantes quanto essas, seria imprudente. Estamos apenas transferindo aos editores um poder muito grande e um dever maior ainda, ao qual não veria como não abusariam de tal. Não observa como nosso sistema editorial tem preferência por idéias de esquerda, enquanto livros de direita nunca chegam ao nosso país? 

– Mas… – trepita o agnóstico enquanto pede um café com leite.

– Veja os consumidores, se deixarmos nas mãos deles só aprovariam idéias que lhe agradassem, seria demasiado loucura assumir que os livros de auto-ajuda são verdadeiros, isso porque os livros de academia, que contém verdades muito mais profundas e complexas, são direcionados a poucos estudantes. A verdade se tornaria apenas um estilo de vida no meio de muitos outros. Não, meu amigo… ela deve ser institucionalizada de alguma forma, as filosofias antigas faleceram ou sobreviveram porque se institucionalizaram.

–  AH, você é impossível. Estaria melhor na chuva.

Ambos riem.