Idéias Primeiras

Em outro dia qualquer no mesmo café, o agnóstico questiona o cristão:

– Você não acredita que punir um homem com a morte por blasfemar contra Deus é um exagero? Não seria algo contra a liberdade de expressão?

O cristão pondera:

– Creio que não deve haver liberdade para o homem praticar o mal, apenas o bem. Se eu ofender a cor da pele de alguém serei altamente punido por nossa sociedade. Se a cor da pele é tratada com mais valor do que Quem a criou, Este que é o puro Bem, então estamos cometendo uma injustiça, pois Lhe estamos dando menos do que é devido.

O agnóstico se surpreende com a honestidade:

– Ainda bem que provavelmente Deus não existe.

O Cristão sorri:

– Boa afirmação, tudo depende da resposta à maior pergunta de todas, “Deus existe?”, se Ele existir nossa sociedade relativista será uma mentira e se Ele não existir, tudo o que digo não vale nada. Tudo depende de como respondemos as primeiras perguntas antes de resolver nossos problemas, nossas diferentes crenças criam deduções muito diversas. Mas nossa sociedade insiste em ignorar a pergunta e quer resolver os problemas, o que acaba deixando a solução à quem se apoderar do poder primeiro.

– Ainda não significa que devemos matá-los. – Diz o agnóstico, interessado em como seu amigo iria sair daquela.

– Se eu respondo com uma negativa à suprema pergunta, eu deduzo um quadro de crenças que justificariam certas ações e um sistema de acordo com aquela visão muito diverso do que se eu respondesse afirmativamente. O homem medieval, muito mais sábio que o homem novo, sabia do perigo mortal de se errar as aparente inofensivas idéias primeiras, razão de por um longo tempo ter evitado as maiores desgraças da história. Um cristão pode ser contra o aborto e a escravidão porque respondeu a essa pergunta, similarmente encontraram a resposta Mao Tse Tung, Stalin, Hitler antes de darem as soluções aos conflitos de suas respectivas sociedades.

– Ter a resposta é impossível. – Diz o agnóstico.

– Então estamos perdidos. – O cristão se volta a ler o jornal.