Hostil

Porque você é tão hostil ao mercado de idéias, meu amigo? – Proclama o agnóstico entrando à uma luta de boxe com seu amigo cristão.

Da mesma forma que sou hostil ao uso dos pés no boxe, não tenho hostilidade se houver um conjunto de regras justas, percebe que ali se o adversário deixar usar-se de chutes enquanto o outro que prelia de forma limpa se não descer à anormalidade de seu adversário sairá perdedor, mesmo que seja melhor usando só das mãos, similarmente para uma justa competição de idéias não pode entrar mentirosos, nem desqualificados, não colocaríamos Dempsey contra mim certamente. – Diz o cristão sentando.

Então por isso você favorece a inquisição? – Diz o agnóstico rindo.

Sim, e de certa forma a escolástica. Ao criar-se as regras para que a verdade prevaleça sobre a mentira, evitemos que seu pai, que cuida para que ela floresça no coração os homens, nunca vença. Ele é muito zeloso de sua filha feia comprando o amor dos homens, ele te daria como dote o trono do mundo se pudesse, no momento ele só pode te oferecer os melhores cargos públicos dos quais nenhuma tribulação te encontrará, tudo para que seu amor pela verdade diminua e cresça sua paixão por sua filha feia, ele te dará tantas coisas que você começará a achá-la bonita, e porá em fuga quem discorde pelo amor de teus privilégios e assim você fará o trabalho no lugar dele, caçando Aquele que disse ser a verdade onde quer que ele apareça. 

Mas assim como um carro ford é melhor que uma carroça, poderia uma idéia falsa melhor superar uma verdade pior pelo progresso, um lutador mais selvagem é um melhor lutador que aquele que só usa as mãos, ou afinal, qual você contrataria como segurança? Certamente haveria uma produção de boas idéias nas nossas academias se houvesse competição selvagem entre elas, que importa as mentiras se elas funcionem? – Diz o agnóstico.

Forçoso é conciliar a moral utilitarista das fábricas a tudo que existe, essas regras funcionam bem para as fábricas, mas quando saem delas são desastrosas, é como se nosso amigo ali no ringue dissesse que sua forma de boxear é a filosofia que deve reger a moral dos homens, soa como uma bizarrice, mas quando um homem rico diz não soa bizarro aos ouvidos dos pobres estudiosos. – diz o cristão.

Nocaute!!! – grita o agnóstico levantando em torcida ao ver o corpo de um dos homens caindo ao chão. 

Percebendo o que havia feito, os dois gargalham.

Não concedo todavia, pra que serve a verdade, deveríamos nos importar primeiro com o bem estar da sociedade. – Diz saindo.

Realmente, que nos beneficia a verdade? Ela é divisiva, mas menos divisiva que a mentira, há uma verdade no qual nos une, mas para cada verdade há dezenas de mentiras que nos separa. Sem a verdade, não haveria sociedade que se ajuntasse para a contemplar, não se esqueça que não nos juntamos pelas nossas divisões, mas por aquilo que temos em comunhão. 

A luz apaga-se.