Guisa

Não é tarefa fácil denunciar que o direcionado de programas assistenciais pode ser corrupto, salvo ignorância invencível ou estado famélico, o risco do moralista é tornar-se vítima da chantagem emocional que decorre a justificação de políticas de transferência e transformação de renda à lá Robin Hood sem notar que sob a guisa de caridade governamental com os pobres estamos fazendo, maior parte das vezes, caridade com o governo.

Observável que o orgulho do baixa renda americano é conseguir viver sem a necessidade de ajuda, os rednecks, blue collars, são tradicionais votantes do partido republicano, enquanto os democratas são urbanos esnobes de moral burguesa, já o orgulho brasileiro é vindicar a riqueza alheia usando do tributo.

É por isso que a ética do ladrão faz parte de discursos universitários da esquerda, o bandido, justificado pela “alta cultura” política, movido de sentimento libertário, somente e tão somente pensa “por que não roubo eu mesmo e poupo o trabalho do governo?”.