Biótipo

O feminismo moderno nos detalha as dificuldades e sacrifícios dolorosos das sofomóricas para agradar ao macho, gritando a liberação dos padrões estéticos da beleza ocidental pelo descuido do selvagem, aquela que criou e fomentou a indústria de beleza agora conspira contra seu filho, mas, não são as mesmas a que idolatram o homem nos padrões físicos dos deuses gregos?

Homens lotam as academias buscando o ideal espartano dos heróis de cinema em parte por causa da intolerância feminina ao homem fraco, passando por dores físicas iguais ou piores, e naturalmente abominam a mulher masculinizada, musculosa, não exigindo o mesmo sacrifício e tolerando todo biótipo feminino, exceto o grotesco.

É claro que mexer nisso é um vespeiro de subjetividades, mas não é difícil notar que há um equilíbrio entre as partes, que a luta de sexos, aquela que transpôs a luta de classes, quer destruir.