Fetiche

É praticamente impossível ao aspirante a entitulado, aquele que considera a luta por direitos a luta por saúde econômica, notar que é um escravagista. É belo contar ao povo que o transporte será gratuito e acessível a todos, que petróleo brota rico do chão, que carros são ostensivos individualistas criados pelo império americano, que bicicletas (e pés) são hip, que país rico é onde ricos usam transporte coletivo, e demais fetiches da esquerda, o que não é belo é dizer: você tem o dever de pagar por essa gratuidade, você me pertence pelo contrato social, então trabalhe, escravo, trabalhe.