Mesmo

A problemática da oficialização do casamento entre pessoas do mesmo sexo é principalmente a falta de identidade cristã nas instituições ocidentais, se não vemos os homossexuais como pecadores e sim como vítimas, se os desvios sexuais falam nada sobre o caráter das pessoas, ao contrário, mostram-nas como indivíduos sensíveis e dóceis, se não há absolutamente nada que impeça que se crie, na cultura já decaída no relativismo, um conceito flexível a ponto de adotar qualquer fetiche como bom, então é meramente consequente o apelo que o casamento gay possui nos tempos modernos, se o humor tem consequências, que dirá conceitos. É a esquecida cultura cristã que se digna a falar da realidade com autoridade, e proclamar-se como única verdade, que impede os desvios pela contemplação do testemunho da divindade na figura de Cristo para a humanidade, dando os conceitos reais e pondo luz em toda verdade: pelo cristianismo tudo se vê, e sem as suas verdades, tudo é permitido.

Há muitas mentiras para esconder uma única verdade, dois mais dois serão sempre quatro, mas o mentiroso tem o número infinito de respostas para confundir as pessoas, nisto, é mister que haja cristãos que caem por heresia no relativismo, que sabendo da verdade, prefere as sombras que vieram antes do luminar do cristianismo, conhecendo a vontade boa de Deus para a humanidade, prefere colocar a verdade em pé de igualdade com a mentira, e apoiar os efeitos da última para louvor dos homens pecadores. A estes, que se sujem ainda, e se deliciem de reinar no inferno.