Imprevisto

Quando um ateu reclama da aparente impotência da oração diante do sofrimento humano e considera que o esforço medicinal é de alguma forma superior na cura está falto da compreensão dos limites humanos e os riscos naturais aos quais o homem sábio aprende a conviver. O ateu julga tolice, preguiça e injustiça com o esforço medicinal em seus familiares e próximos por culpa da estultícia que causa a si mesmo, pela sua fé no super-homem que ele leu em algum gibi escrito por filósofos descrentes.

Os melhores médicos que o dinheiro pode pagar, que estudaram 8 a 12 anos e possuem os melhores equipamentos, ainda não tem absoluto controle da situação, a inteligência é limitada ao possível, somos inerentemente falíveis e imprevistos acontecem que fogem do nosso controle, e por mais que se estude para diminuir riscos e inconsequências eles sempre estarão lá. Enquanto que Deus não trabalha sob essas regras que todos pegamos do pecado original, Deus infalível trabalha no impossível, no imprevisto e por isso sempre nos surpreende, a oração do santo é superior em seus efeitos ao solitário esforço medicinal, pois clama que a soberania divina e não a humana atue para que mal algum venha a dominar sua Boa Vontade e portanto recorre que Deus venha a corrigir o mal que o santo causou a si mesmo e aos seus semelhantes.