Muralha

O poder terreno e espiritual são separados,  mas a verdade é uma só e deve dominar todo o reino da realidade. Esta verdade é causa de destaque pelo maior escritor ainda vivo, George R.R. Martin, que inicia sua saga no plano inteiramente mundano, de intrigas políticas resolvidas pela economia militar, até certo ponto todos os eventos parecem físicos e não metafísicos, mas em certo momento futuro a realidade espiritual começa a emergir invadindo  o que seria domínio da aparência, causando turbilhão entre as facções e sendo protagonista do destino de Westeros. Os guardiões da Night’s Watch simula a autoridade do cristianismo, sendo estes padres de espada que vestem o preto e fazem votos de castidade a barreira contra o domínio imbatível da morte que ameaça invadir o reino, esse grupo de soldados morimbundos que outrora foi formado de nobres reflete a passagem da Igreja Católica para o mundo descrente da modernidade, na sua função de amparo aos excluídos da sociedade moderna.

E assim, como acontece com o enfraquecimento da Muralha pela descredibilidade no perigo iminente, os demônios se libertaram sem que lhes houvesse oposição, a heresia corre livre de boca em boca para matar almas, o domínio da morte nesse mundo prevalece, o Reino das Trevas é hoje.

É claro que o cristianismo não depende do Estado para sua propagação, ao contrário, o Estado foi seu maior opositor em quase todos os períodos de sua existência, e poucas vezes foi usado como apóstolo e salvador de almas, somente enquanto limitado em ser servo, e não senhor, da Igreja, mas hoje, a figura do poder político invade a função do pastor ao dirimir com detalhes a consciência privada, o norte ético torna-se a lei civil e não a lei moral, a corrupção não está só nos costumes, mas principalmente nas normas, e o pastor fala cada vez mais como político para continuar a ser ouvido, assim demonstra-se que nada tem possuído mais almas que um governo satânico em busca de formar uma nova sociedade criminalizando a antiga com leis criminosas, a isso se chama progresso: A educação de um povo à praticar pecados, e não tem sido necessário ser socialista para vocalizar essa sua ambição gananciosa, a cada direito gratuito desnatural, contrário ao desígnio divino gerando uma fonte de crescimento ilimitado através do imposto, não faltando quem os defenda pelo interesse mesquinho de sentar na carroça, a cada tolerância com o pecado e intolerância com o conselho, a cada criminalização da virtude e legalização do crime, esse reino da morte caminha sem obstrução.